Vem ai 2018, o ano de comprar.
Voltar para o blog

Vem ai 2018, o ano de comprar.

             setor imobiliário, em especial o segmento residencial,  costuma ser um dos últimos a sair de uma recessão. Isso se deve em grande parte à natureza de seu produto, um investimento fixo de valor relativamente elevado, que muito depende da recuperação do emprego. Outros determinantes da restauração do ritmo de crescimento do setor são a confiança, taxa de juros mais baixas e especialmente a oferta de crédito.
             Pois bem, todos esses determinantes começaram a entrar em cena. A queda maior do que a esperada na inflação criou as condições para um vigoroso ciclo de política monetária, o qual, associado à restauração da credibilidade do Banco Central, permitiu que a taxa Selic caísse de 14,25% em 2016 para 7,0% fixada ontem 07/12 pelo Copom, neste momento. Tudo indica que a taxa baixará à 6,75% a partir de fevereiro de 2018. A oferta de crédito dá os primeiros sinais de revigoramento.
            A queda nos distratos é outro fator que estimula a retomada. Por tudo isso, as vendas de imóveis começam a retomar com força. Os novos lançamentos e as vendas de imóveis novos voltaram a acontecer em ritmo mais animador. No acumulado do ano até junho, os lançamentos cresceram 8,7%, em comparação com o mesmo período de 2016.
            Ainda não é a recuperação dos sonhos do setor, pois ainda será preciso absorver os estoques acumulados durante a crise. No segmento residencial, dados de junho indicam que eram necessários 18,6 meses para zerar os estoques (19,1 meses em 2016). A média histórica é de 11,8 meses. A tendência é de continuada melhora desse indicador.
            No segmento comercial, a recuperação tende a ser mais lenta. Tem sido maior a demora em reagir à queda da taxa de juros, ao contrário do que havia acontecido em outros momentos de recessão. A causa parece ser o nível de estoques a absorver, que está acima de experiências passadas. Isso porque o setor viveu um boom muito acentuado em 2011 e 2012. Era a época da falta de mão de obra qualificada compatível com o ritmo das construções.
           Em resumo, os sinais de que o setor se ajustou e volta  a recuperar-se são cada vez mais evidentes. A continuidade da recuperação do emprego e da renda, associados aos efeitos defasados da queda da taxa de juros, dará ao mercado imobiliário a capacidade de contribuir para viabilizar um crescimento de 2,8% na economia em 2018.

 

Outros posts

  1. Este é o melhor momento da última década para negociar no mercado imobiliário

    Este é o melhor momento da última década para negociar no mercado imobiliário

            O governo federal trabalha com a projeção de injeção de R$ 30 bilhões na economia brasileira neste ano com a liberação dos saques do FGTS inativo. A medida deve movimentar 0,5...

  2. Caixa reduz juros do crédito imobiliário

    Caixa reduz juros do crédito imobiliário

    CAIXA REDUZ JUROS DO CRÉDITO IMOBILIÁRIO Uma semana com boas notícias no setor imobiliário. A partir da segunda-feira, 14, passam a valer as novas taxas com redução de até 1...

  3. Caixa lançará financiamento imobiliário prefixado

    Caixa lançará financiamento imobiliário prefixado

    Tudo indica que a Caixa Econômica Federal oferecerá a partir de março/2020  o financiamento imobiliário com taxas prefixadas. As informações são do Presidente do Banco - Pedro Guimarães...

Personal Imóveis

fixo
55 3322-4966
claro
55 99198-9898

Personal Imóveis

claro
55 99198-9898
|